Agenda: outubro e novembro

agenda

Então que até parece que eu sou importante e aparecerei por aí em breve, e talvez vocês se interessem por algo.

> 20/10 – Início da Oficina de Audiodrama no SESC Campinas! Mais informações e inscrições na secretaria do SESC

> 12/11 – Vou bater um papo na Jornada de NaNoPalestras [São Paulo]. Vai ser na Biblioteca Viriato Corrêa, das 11h às 17h, com um monte de gente bacana!

> Novembro – Nova turma da Oficina Online de Redação! Assina a newsletter do Viver da Escrita que inscrições antecipadas vão ter desconto no curso! ;)

Outros recados:

> Lancei a novela Trabalho Honesto, uma autopublicação bacanuda. Compre lá, é baratinho!

> Participo com uma galera gente boa da coletânea Contos de Taverna, que precisa muito da sua ajuda no Catarse.

> O audiodrama Morango está completo! Dá para ouvir tudinho no portal Leitor Cabuloso!

Dark Life: Vida Abissal – Kat Falls

tumblr_oazmftykTw1qa42ilo1_400Dark Life: Vida Abissal – Kat Falls

Dark Life é uma distopia surpreendente. Em um mundo cujo nível dos mares subiu, a população da superfície mora em espaços abarrotados. Outros optaram por morar no fundo do oceano, em uma comunidade experimental. Ty, com quinze anos, foi o primeiro a nascer e viver embaixo d’água, e por isso ele é um pouco diferente das outras pessoas.

Peguei o livro sem esperar muito, no terceiro capítulo já estava bastante curioso. Apesar de recomendado para leitores mais jovens, tem uma trama política bem amarrada e personagens muito bem construídos. A relação de Ty e Gemma (a garota do topo) é ao mesmo tempo íntima e conflituosa, com desejos e opiniões que seguem às vezes alinhadas, às vezes em sentidos opostos.

O cenário é muito rico. As criaturas abissais, as fazendas submarinas com suas cortinas de bolhas, casas no formato de águas-vivas, veículos arraia e variedade de tubarões e ameaças submarinas, é um mundo bem envolvente e rico. Além da parte submarina, temos um mercado na superfície, que faz a ponte entre os dois mundos, cheio de cheiros, clima e sensações.

No entanto, o que brilha no livro é a trama. Kat Falls segue à risca a regra de criar um conflito atrás do outro, as coisas dão errado, depois dão errado de novo, ih, agora piorou, e quando você pensa que as coisas vão começar a ser resolvidas aí que tudo se complica ainda mais. Você sente a ameaça o tempo todo, não só à vida dos personagens, mas aos seus desejos mais profundos, que caminham numa tênue linha prestes a se romper a qualquer momento.

Nômade – Carlos Orsi Martinho

tumblr_oazlexhq9B1qa42ilo1_400Nômade – Carlos Orsi Martinho

Nômade é um romance curtinho, para ler de uma vez. Conta a história de um grupo de adolescentes que, durante um treinamento de sobrevivência na selva, tem que lidar com uma pane geral na Nômade (a nave onde estão), bem quando um deles cai desmaiado.

O cenário é bastante interessante, com tribos diferentes dentro da Nômade, embora o autor apresente apenas vislumbres das diferenças entre elas. A aventura é ágil: enquanto os protagonistas investigam para descobrir os problemas e tentar salvar o amigo, têm que lidar com variações da gravidade artificial, robôs de manutenção e outros problemas.

Embora o livro não traga nada novo a leitores habituados com FC, tem vários pequenos detalhes muito bem encaixados, dialogando com as séries espaciais clássicas e foge dos clichês esperados, encerrando de modo surpreendente. Uma leitura bacana, bom para presentear uma criança que começará a desbravar os conceitos da ficção científica.

Sonho, sombras e super-heróis – Luiz Bras

Fotógrafa
Fotógrafa

Sonho, sombras e super-heróis – Luiz Bras

O que é sonho, o que é realidade, como sabemos quando estamos acordados? Partindo desta temática Luiz Bras escreve uma aventura em Cobra Norato, envolvendo super-heróis, androides, um grande vilão e Efraim, um adolescente tentando resolver isso tudo aí.

O livro brinca com referências a vários conceitos da ficção científica pop, numa corda bamba entre Matrix e A Origem (Inception), sem nunca descambar para o pastiche e prendendo a atenção a cada reviravolta (que não são poucas).

Se o começo do livro é um pouco mais devagar e tende a apontar para um final que seria “e então ele acordou”, a trama ganha corpo no meio do livro, com um final surpreendente e interessante.

Em resumo: Matrix + Inception para adolescentes. Recomendo.

Canto do Uirapuru – Érica Bombardi

tumblr_o9t04pURlw1qa42ilo1_500Canto do Uirapuru – Érica Bombardi

Canto do Uirapuru é um livro sobre família, sobre amizade, e principalmente sobre crescer. Tem cara daqueles livros que você encontra na estante de alguém, começa a folhear e de repente já está lá na fazenda ao lado de Max, Deia, o cachorro Tom e todos os outros personagens. Para dar uma ideia de como a escrita da Érica é mágica, reproduzo aqui o comecinho do livro:

“Grande que é esse mundão, e a gente no mesmo lago. O mesmo barranco de terra vermelha, a árgua lodosa das margens e o brilho cego do sol àquela hora todo santo dia.
Tanto lugar para andar, e a gente bem pra cá só.
Pensar em ir embora eupensava. Difícil era desatar o nó entre o pensamento e os pés.”

A trama, apesar de rica, não importanta tanto assim. O que importa mesmo é aproveitar a prosa poética em cada página enquanto Max se apaixona, tem medo, briga e vive. É um livro lindo, daqueles de terminar suspirando.

Mais sobre o livro aqui:
https://ericabombardi.wordpress.com/canto-do-uirapuru/

O círculo – Dave Eggers

tumblr_o9i72vgbPK1qa42ilo1_500O círculo – Dave Eggers

Eu queria muito ter gostado de O Círculo, que estava na minha lista de leitura há pelo menos um ano. O livro faz uma crítica sarcástica à cultura do Vale do Silício, à empresa que quer ser a sua melhor amiga, quer que você se sinta bem e amado e acolhido enquanto pede em troca nada mais que a devoção total e irrestrita.

Mas… O livro é muito longo. E por longo eu quero dizer chato. A protagonista é um porre e nem o seu dilema “dividida entre três homens” anima. Acho que isso até faz parte da crítica, mostrar uma representante de uma geração meio vazia, mas em nenhum momento eu me importei com ela. Quanto à trama, há uma estrutura de “conspiração” que cresce devagar no livro, mas é tão mal resolvida no final que dá até raiva, por sofrer de protagonices (quando tudo estaria resolvido se ninguém ficasse esperando A Protagonista fazer coisas apenas porque ela é a protagonista).

O livro não é de todo ruim, há algumas piadas com a cultura de “fazer o cliente feliz” que me divertiram bastante por já ter trabalhado com atendimento ao cliente em uma empresa que idolatra a tal “cultura startup”. Há também dois momentos em que você pensa “oh, o que vai acontecer agora”, cria expectativa que o livro vai ganhar ritmo, mas logo ele volta à morosidade da rotina no campus.

Fiquei pensando se eu não deixei passar algum significado mais profundo. No entanto, as consequências das ações do Círculo só aparecem lá no finalzinho, nas últimas páginas, não existe um pensamento mais profundo sobre vigilantismo, um dos temas principais do livro. Se o lado do Círculo é muito bem representado, o outro lado fica capenga com representantes idosos ou isolacionistas, o que nem chega a construir um contraponto inteligente.

O livro tem longas passagens descrevendo as atividades online de Mae Holland, como “postou x fotos, curtiu y mensagens, etc etc etc” que deveriam ser divertidas. É um livro baseado em sarcasmo, em ironia. Mas isso é um bicho delicado, eu poderia ter adorado o livro se ele não fosse tão cansativo. São 520 páginas onde quase nada acontece, e na vigésima vez que você está lendo a mesma piada já não é tão engraçado. Um livro com a metade do tamanho talvez tivesse sido genial.

Metanfetaedro – Alliah

tumblr_o3u9gbrUlR1qa42ilo1_400Metanfetaedro – Alliah

Metanfetaedro é um livro estranho, como não poderia deixar de ser. O livro é uma das melhores expressões nacionais do New Weird, aquele gênero entre a FC e Fantasia mais conhecido por provocar expressões como “masquê? Hein?”

Gostei muito, mas também não gostei. O livro é sujo e sem frescuras. Ok. Mas ao mesmo tempo, em diversas passagens, principalmente no começo, Alliah explora o grotesco pelo grotesco, flerta com o horror e o gore, que não são meus favoritos. Mas o estilo, que aliado um certo clima depressivo das primeiras passagens, me pareceu pouco além de metáforas para as coisas ruins que acontecem (principalmente nas metrópoles). Isso se mostra principalmente pelos finais, quase todos tendendo à tragédia (a noção mais contemporânea, “de que nada realmente muda”, em vez da noção clássica).

Por outro lado, há contos maravilhosos que eu não conseguia parar de ler, como “Uma cidade Sonhando Seus Metais”, uma maluquice incrível e Morgana Memphis, que aparece em dois contos, é uma personagem maravilhosa, eu compraria um livro inteiro sobre essa mulher.

Por fim, tem o “O Jardim de Nenúfares Suspensos”. Que conto lindo. Ele destoa um pouco dos outros, é mais intimista, mostra uma sociedade mais alternativa que pós-punk, e tem um pouquinho de ação, um pouquinho de mistério e muito de uma personagem tentando aprender a lidar com o próprio sentimento.

Transformando tudo o que eu disse em estrelinhas, eu diria “comprem o livro”. Mas como foi publicado pela Tarja, que não existe mais, preciso descobrir como vocês fazem para encontrá-lo.

Universo Desconstruído II – Ficção Científica Feminista

tumblr_o34bc7t9k41qa42ilo1_500Universo Desconstruído II – Ficção Científica Feminista

Se você ainda não baixou, vá lá baixar o Universo Desconstruído II, uma coletânea de contos feministas, totalmente grátis. Tem coisa imperdível neste volume, cujos contos são FC de primeira protagonizados por todo o tipo de personagens femininas.

Baixe em http://universodesconstruido.com/

Como toda coletânea há pontos altos e baixos. Vou comentar apenas meus favoritos:

Começamos com “Corpo Escuro”, um incrível cordel de Jarid Arraes. Nunca havia lido FC em cordel e vou te contar, gostei demais!

BSS Mariana, de Lady Sybylla, é um belo conto antenado com a FC contemporânea. Uma nave de exploração, considerada perdida, retorna à terra depois de cem anos, e agora Endyra e sua equipe precisarão descobrir o que aconteceu com ela, o que ou quem está lá dentro e ainda sambar na burocracia envolvida no assunto. Embora essa parte de “burocracia” seja enfadonha em alguns momentos, o conto melhora muito da metade para o fim.

A Divina Nervura do Virtual, de Ben Hazrael, é uma porra-louquice maravilhosa. E isso basta.

Boneca, de Clara Madrigano, é aburdamente incrível, se for para escolher um conto para te convencer a baixar este livro, é este. Sou fã de carteirinha da autora e este conto é de prender o fôlego, de tão angustiante. Acompanhamos em primeira pessoa uma menininha que é mantida prisioneira por um homem em um porão. Sem meias palavras, sentimos cada minuto da agonia da protagonista, e coisas acontecem e você quer abraçar a personagem e dizer que vai ficar tudo bem e… Caramba. Que conto!

Por fim, uma pequena birra, ou melhor, crítica técnica de quem edita e-books: Não tem índice! Aaaaargh! (Nem em página, nem o automático do Kindle). Eu queria mostrar um conto para a esposa e foi horrível ficar passando as páginas para lá e para cá até encontrá-lo!

Binti – Nnedi Okorafor

tumblr_o2yuidu1vr1qa42ilo1_500Binti – Nnedi Okorafor

Que novela incrível. Com 96 páginas, tem o tamanho ideal para a sua narrativa, que pode ser devorada de uma única vez. Binti é a primeira da tribo Himba a conseguir uma vaga na Oomza University, uma das melhores da galáxia. Para realizar o sonho de estudar ela foge de casa, mas durante a viagem algo terrível acontece. Trata-se de uma jornada de personagem, na qual Binti tenta equilibrar as tradições de seu povo com o conhecimento moderno, enquanto tenta sobreviver a um ataque das Medusas. Os cenários e elementos futuristas presentes na narrativa são incríveis e muito bem colocados (como por exemplo as naves que são criaturas orgânicas como camarões espaciais ou algo assim), e bastante equilibrado com o senso de “compromisso” da protagonista.

Enfim, adorei a jornada. Tem grandes reviravoltas? No começo sim, no final não muito, mas isso não importa, o que importa mesmo é descobrir como Binti vai conciliar mundos tão diferentes. E a narrativa é maravilhosa.

Leia o começo de Binti no site da Tor.com, em http://www.tor.com/2015/08/17/excerpts-binti-nnedi-okorafor/

Um Horizonte de Vermelho e de Corvos

tumblr_o2ebhzBiIv1qa42ilo1_500Um Horizonte de Vermelho e de Corvos
Bruno Magno Alves e Atlas Moniz

A novella escrita por esta dupla de escritores apresenta um mundo incrível, fragmentado, construído por pedaços de vários outros lugares. Fiquei com vontade de saber mais sobre esse espaço, ou não-espaço.

O trecho segue uma fórmula relativamente clássica: você tem o personagem jogado naquele mundo, o personagem experiente que faz as vezes de tutor e “o inimigo” que quer acabar com a anomalia causada por um daqueles dois.

O problema é que são páginas demais para história de menos. A história é ótima, a relação entre os protagonistas vai se construindo de modo muito interessante, mas a trama soa arrastada, as coisas só começam a acontecer de verdade lá pela metade do livro, quase abandonei antes disso.

Em resumo: um cenário ótimo uma boa história e a falta de alguém para cortar o excesso de páginas. Para quem gosta de um desenvolvimento lento, pode interessar.

Ele, que Caça Emoções (Capital Revelada) – Atlas Moniz

tumblr_o2ead46LMA1qa42ilo1_400Ele, que Caça Emoções (Capital Revelada) – Atlas Moniz

A primeira coisa que me chamou a atenção sobre o livro é como o seu enredo parece um Anime (Ou talvez um mangá, que não tenho o hábito de ler). Além das muitas referências à cultura japonesa, existe um certo “estilo” no enredo, dramas e personagens. Por um lado isso é um grande mérito, porque a trama é rica, prende, você realmente se interessa por cada um dos personagens. Por outro, ele traz o exagero típico desse meio narrativo, se não nas expressões, pelo menos nas situações carregadas nos tons e dramas. Seus personagens são “cinzas”, deprimidos, perdidos, que em certo momento também cansam. (O autor falou mais sobre o processo de escrita desse livro em seu blog: capitalrepublicana.wordpress.com)

Quanto à linguagem, o livro que demonstra uma linguagem bem trabalhada, mas com um tom particular do escritor, uma “voz” narrativa que em alguns pequenos momentos parece cansativa, principalmente no começo, onde a trama ainda não está tensa o suficiente para puxar a narrativa. Também tive certa dificuldade em acompanhar os personagens, em entender em determinados trechos a quem aquela ação se referia, demorei capítulos para entender quem era “o mais velho” e “o mais novo” descrito nas ações para evitar repetições.

Por fim, o livro é muito bom, eu adorei ele, li em praticamente dois dias. Mas também não é para todo mundo, consigo pensar em poucas pessoas a quem recomendaria a leitura. Se você se interessa pela temática habitual em Animes, personagens deprimidos e dramas familiares (com monstros e fantasmas, claro), vai fundo!

Breve comentário sobre Agreste Fantástico – Conjurações e Terra Seca

tumblr_o1zm9cjY161qa42ilo1_500Breve comentário sobre “Agreste Fantástico – Conjurações e Terra Seca”

Ganhei este livreto no Manifesto Irradiativo, da autora Paola Siviero (que por sinal está na Trasgo 09), e resolvi folhear para ver qual é. Primeiro, ele é bem diagramado e gostoso de ler, o que já passa na frente de muitas publicações do tipo.
O enredo é divertido, se passa no sertão brasileiro e foca na relação de dois personagens, a maga Josefa e Toninho, caçador. E tem trolls do agreste, uma mula chamada Véia e uma linguagem bastante solta e dinâmica.
É um conto curto, de dezesseis páginas, mas cumpre o seu papel e me deixou bastante curioso em relação ao projeto mais longo da autora nesse cenário.